Pequenas alegrias do coração

Sorrir e perceber de surpresa o quão ridícula e encantadora é essa risada. Risada tímida, sussurrada, irada por estar apaixonada. Escreve, e das entrelinhas do papel vai tentando esconder essa risada, esse sussurro de amor com felicidade misturada.
Mistura homogênea. E se não fosse, não era felicidade,e tampouco era amor. Têm de estarem ambos juntos, ou essa risada não existiria. E no lugar da risadinha, uma lágrima cairia. Lágrima quente, salgada. Percorre seu rosto e cai no seu colo, pesada. Água salgada à gosto e desgosto, dependendo de quem serve e quem deve comer. Mas ainda bem que chora, já imaginou se não chorasse, o quão salgado teu corpo ficaria?
Põe pra fora o que tem dentro. Se cultiva coisas ruins, expele as lágrimas baratas, mesmo, durante o choro sofrido ou fingido. Mas se é amor, se é bom o teu espírito, e a mente inteligente o suficiente para não absorver como esponja cega o que vê e o que ouve, solta o som da risada que queres dar. E dá com gosto, porque do papel nunca se esconde as pequenas alegrias do coração.

P.S.: Estou sorrindo.

7 comentários:

  1. Não entendo o ser humano, consegue melhorar e se superar infinitas vezes... Parabéns pelos seus textos

    ResponderExcluir
  2. sorrir faz um bem danado...
    beijoo e bom fds!

    ResponderExcluir
  3. li seu texto denovo...
    quero mais alegrias hj.

    ResponderExcluir
  4. muito obrigada, o mesmo digo deste texto.. lindo :)

    ResponderExcluir
  5. Devemos incentivar os risos e enxugar as lagrimas quando não for hora delas caírem, mas lembrando sempre que, as vezes, chorar serve pra limpar os olhos e nos permitir ver.

    ResponderExcluir

"Já que se há de escrever, que pelo menos não se esmaguem com palavras as entrelinhas"
Clarice Lispector"